RSS
 

5.8.15

07 jan

a água finda

o elemento                       excrementos

de suicídios                       de avisos

sobejos

solfejos

da cantoria que se dizia

onde

quando

não acredito                     traz o começo

do fim


se depara com a erosão do sarro

antoniete-se: não tem água?

tome ginger ale


tudo sério fica como os óculos e o bigode

do poema do Carlos


não brinquemos             não à alegria

fora odes!                          que venha

o que tiver que vir

e cesse jogar culpa como confete


olhai o rabo, o próprio

 

Deixe um comentário