RSS
 

03 nov

1.

um pacto fervilha entre nós e feridas

como um rito de castidade

como um pecado alado

um poço sem eco

um mínimo

de sangue de loucos e babosos ancestrais

de uma caverna no Himalaia

de uma oca da serra do Roncador

da sacristia ausente da sensatez

a poesia sem disfarces

vive

bêbada de tantas caras a ela imposta

seu mundo é a complacência

mesmo com o claro riso claustrofóbico

2.

ao longe é a expressão de minha vida

ao longe do tempo

ao longe do lugar

ao longe das gentes

ao longe da fogueira

ao longe da era

ao longe do casulo

ao longe das atas

ao longe das asas

só me contrariei quando dentro

do desejo

não tão longe assim

3.

sou o filho de algo

não fidalgo

que perambula entre cacos

e perguntas

sou filho do não entendimento

entre o verão e a primavera

sou a cria entre patologias

não desconfiadas

não afloradas

que morrerão depois de mim

(palavras pelas frestas

da inexistência)

:sou o não sou

4.

por falta de desespero

nunca gritei

  • cancela a cancela!

por acomodamento e sono

nunca bradei

  • cancela a cancela!

por ser quem sou e fui

sequer sussurrei

  • cancela a cancela

todo o caminho para mim era toca

sapatos e calos

5.

pedaços esgarçados são arrancados

de nossa história

a cada morte de quem amamos

25.10.18

 
Sem comentários

Adicionado em - POEMAS

 

Deixe um comentário