Há poetas que só escrevem para sua turma de bar.
Bebem bastante , vomitam prédicas.
Craques de palestras: odeiam lágrimas.
Poesia feita com uma cartilha
que não se vende nas feiras livres
pela razão simples de não ser livre
dos seus antepassados de trincheiras
das suas vanguardas em luta contra o mofo.
Inglórias pelejas.
Para mim são versos de garupa
agarradinhos como namorados na lambreta.
Versos caudatos também nomina.
Haja medo de não parecer gênio neste século chafariz.
Meu cutucão será em forma de rima (bem pobre)
para a qual (eles) também escabujam  o nariz.

26.5.15

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *