O que me leva  às estações

não são o trem e as suas gares,

mas as carroças e os chicotes

defronte, a coesão dos cheiros

de esterco e urina das éguas.

(As visões do passado nascem

de ventres incertos, folhas

ao ar pulverizando feridas.

Do abstrato ao concreto,

os nós, do corpo e da alma).

21.2.19

Classificado como:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *