SOU, LOGO SOU

Sou o que leio, sou o que me dizem, sou a escala de sexta menor de Barry Harris, sou o que mora livre num campo cercado, sou a sensação de não estar onde realmente sou, sou  a ira nascida da fala do Ministro de Estado,  sou da falsa segurança a real, sou seis ou sete pitangas colhidas contra o tédio, sou o príncipe e o sapo no espelho, sou o tênis encharcado de neve no Central Park, sou por demais o não-desejo realizado, sou quem se feriu com  o olhar do guarda da esquina, sou a criança que brinca na areia restrita ao fut-vôlei, sou o quê seria dos que salvam a humanidade no poema do Borges, sou a desilusão do comentário escrito do amigo, sou o laico sorrir da pertinência, sou o que faço e a espera do prêmio desbotado, sou o cinza da paleta em busca do azul, sou a  que não morre: a dúvida metafísica, sou o que como, sou sempre o que nunca sabe o que é o quê, sou por ser, sou e suo.

.

19.9.21