Deitado, viu a aranha

E

P

E

N

D

U

R

A

D

A


Pensou poeticamente

não se mexeu,

(não se afortune à vida, ó músculos!)

somente os olhos

orbitais curiosos.

A aranha sobe

mas desce análoga:

grandes subidas, descidas

bruscas, constantemente previstas.


Ao largo, a formiga.

E a tarde tomou conta

escurecendo a vida

e o quarto.

Passara todo esse tempo pensando?


A aranha já se fora. A cigarra

na teia.


Voltar a todos.

Ligar a televisão.

Morrer mais um pouco.


21.08.2001

A ARANHA E A CIGARRA

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *