Um pardal no meu jardim
de cimento, biqueiro
e visão que enternece,
ignora e dele a angústia
eviterna pelo minuto
de um sorriso que nada evoca.

Quer um alimento
e nada transparente
em súplica ou bramir.
Sem sombra de tédio,
na irrequietude de um corpo são
e na dor do meu despertar efêmero,
é tosco no jardim.
Frio de cimento.

Vem e fita grãos
espalhados, ordenados
pela natureza, que na maneira
do mistério de pré-saber, oferta.

Logo, ilusão, desvanece.
E um abismo na tarde recolhe as sobras.

ALIMENTO
Classificado como:

Uma opinião sobre “ALIMENTO

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *