Poesia e política são demais para um só homem.

TERRA EM TRANSE

Glauber Rocha

Para onde derivar

meu caminho?

Onde instalar

meus desatinos?


Seguir a trilha do verso

e plantar no absurdo

todas minhas consciências inexatas.

Pleitear um canto

dentro do canto,

pelejar entre mistérios do amor.


Saciar longe das modorrentas

passagens pelo dia.

Alçar a balança das vindas,

Rebater causas não minhas?


Fixar o que soçobra na mente

em espaços que se chora

sem o querer inexecutável.

Caminhar dentro do que chamo dentro.


Mesclar a indecisa poesia

com o fim de todas as virtudes.

Lançar contas nos fins das contas.

O poeta é o dono do pensamento,

do repartir da luz,

da palavra não palavra.

Fina e repressora do que se entende

à primeira vista, ao primeiro demão.


A poesia, estado de viver

em saber-se exteriorizar

o afã de apregoar o infinito.


De resto, apenas a vida que se borra.


29/05/2010


CAMINHO

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *