por mais que lugares

toda minha vida morei dentro de mim


ciranda que falta o ar

consciente a divagar – provi linhas próprias


perpétuas desforras

escondi do espelho a face do mundo


morei sempre em nós

retalhei a vida e não retirei a casca


o que fiz e não

foi o abandono ao sol

.

CASULO

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *