Sou tão noturno quanto o sol.

Somos duas evasões pós-ocaso.

Ele parte; vai reluzir em outra banda.

Eu vou para dentro de mim

(onde o que não entendo desanda)

cismar com o acaso.

Enquanto ele se desnuda no Oriente,

por aqui, a lua, alçada em Psiquê,

escala minhas dúvidas com pouco-caso.

COMPANHEIROS
Classificado como:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *