a fome comeu

as abstrações fragmentárias do S. Dedalus

e o orgasmo da Sra. Bloom


a fome tragou

o café com pão do Manuel

e as orelhas do cavalo de Hipólita


a fome corroeu

os sete instrumentos de Praga

e o terno preto do Sr. K


a fome defraudou

a imodéstia dos contos drummondianos

e a eterna farsa da D. Inês


a fome destruiu

a crença da reunião

dos universos acima, um dia


a fome fomentou

fomeu

03.10.2001

ESTADO DE ALMA

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *