O que acolhemos durante a vida,
é o que amamos.
E o que amamos se eterniza.

Começa como beijo,
e damos o nome de encontro.
Como seiva, escorre por momentos
e se abriga na convivência
a compor uma grande história
e gesta o amor, sempre em construção.

Em tira de sonhos o desejamos
como doce eternidade.

Mas o trágico destino humano
o transforma em seta no coração.

Aí, o chamamos saudade.

MEMÓRIA
Classificado como:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *