Um relativístico a quicar

defronte olhos cansados

de ritos, quase mitos,

impregnam-nos de muletas

eletrônicas.

Imagens já obsoletas

as que nasceram

no último por do sol,

trôpegos em Android,

fraturas em IOS.

Não há mais tempo

de expiração. Vivemos

um preceder dentro

de um brejo.

16.6.16

MULETAS ELETRÔNICAS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *