A noite que não é negra
é noite sem entrega,
sem presságio de noite.
Noite sem refrega.

A noite que se nega
é a noite de meio termo,
sem tango, que desmaia;
do que não é enfermo.

A noite que se regenera
é noite que não se ouve,
silêncio que não grita.
Grito de garganta fria.

A noite que anseia o dia
é a noite que escapa,
círios que se apagam.
Bola na caçapa.

A noite sem defeito
é noite com trégua.
Algo que não se mira,
noite do não feito,

noite sem escravo,
sem soluço, sem medo.
Que se cala e não crava
unhas no quando degredo.

Noite que termina,
que fisga espaços.
Nesga pantomima.
Noite aos pedaços.

NOITE PASSIVA

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *