Enchi os bolsos de esperança

e tomei a estrada do amanhã.

Logo senti meus passos

pesados, de alma espessa.

Lembrei-me de que não havia

deixado a velha mochila

cheia de ações inconclusas

e perdões a pedir.

Sem leveza

não há ciclo que se complete,

coração que transborde.

3.11.15

O ALFORJE

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *