noutra noite em mim
um sonho:
o mundo saía do rasgo
da boca de Antonin Artaud

(um cigarro em desafio
pendia como um monólogo)

seus olhos não vi
mas o blackout de seu desespero

ondas curtas anunciavam
de forma wellesiana – o fim
da Segunda Grande Guerra

muda
Lili Marlene onomatopaica
nos corredores da dor de Rodez:
autorretrato do rompimento de todas
as encenações e respirares

um cinza frio deu soturnamente
a deixa
ao delírio nesta fábula cruel
O RASGO

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *