Pelos amigos, emudeço.

Foram picados pela dualidade

dos pares de opostos.

E ficam, cada um deles,

agarrados ao seu totem

rajásico como musgo cego.

Mas eu os amo. Um amor

com a magia do silêncio,

que não fere e nem desbota.


15.9.19

O SILÊNCIO

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *