Se uivas na noite ninfa,

esfrias na noite infinda,

traze-me o frescor do rosto

como fogo do amor.

 

Se cuidas da noite tenra,

se colhes na noite flores,

traze-me o pulsar do sangue

como gozo do amor.

 

Se esquivas na noite calma,

se mata na noite amores,

traze-me o brotar do linho

como teia de amor.

 

Se acordas na noite eterna,   

beijas na noite fria,

traze-me o olhar do dia

como seiva de amor.

 

21.1.91

 

.

O VENTO

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *