26.

Se tu fores chegar em alguma fonte, leva-me junto. Preciso que meu espírito se encha de sementes e nascentes. Se fores repousar à sombra de qualquer paineira, leva-me junto. Quero respirar o feito mágico dos bicos dos pássaros migrantes. Se chorares sob qualquer canção, leva-me junto. Colherei lágrimas pelos sentidos que emolduram minha existência. Se fores ouvir o Ítaca, leva-me junto. Não quero pelo resto dos dias que já minguam, sentir a dor da orfandade. Se encontrares um sorriso, avisa-me logo. As pérolas do mundo estão no fundo de cada ser humano que hoje padece de um apocalipse prematuro.

(sentidos atônitos, pensamento em Kafáfis, nossos dias, o cansaço: a inevitável súplica)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *