Ele sonha como eu poderia ser.

Ela sonha comigo cheio de gravatas profundas.

Eles sonham comigo com olhos como um falso espelho.

Eu sonho mais (o tempo todo).

Por isso moro no quarto dos fundos onde mastigo sobras do que em mim é real (as derradeiras).

Nas paredes amarelas escreveram: (algum prisioneiro de barbas longas)

Há de prevalecer aos séculos todas as pragas mosaicas.

2.4.16

SOBRAS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *