Palavrar na noite
poupa o sequente desvio
da força candente
na essência do desvario.
Amotinar um ponto
que desfio
na hora-luz
(um quase conto)
o parto do cinza doentio.
Destoar o canto sombrio
que produz
o interior a faiscar.
A semente em estro do impudor que seduz.
Vai-se o atormentado raio de luar,
borbota em resnascer,
um delicado cio.

VERSO DA NOITE
Classificado como:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *