Frívolo cantador de suores distantes,
desvendo o que refuga num poema arrepanhado.

Ante a flor de pétalas dissonantes
se cismo, retiro do pulsar um abismo
de estupor da angústia ávida pelo fado.

Um salto em torno da vaga por mais alto a paliçada
da trajetória aflita, cumpro e excluo da madrugada
o calor de que não sei se desdita
e encaro na natureza da dor do nada
que dentro de mim se agita.

É quando um verso que não morre alteia
o que está imerso, e na cisão da falta teia
salta e à pena ensina:

tudo isso que escorre é o viver da noite finita,
que me abrange como um lago que socorre
e ao se enfeixar com o alvorecer, se jardina.

E como espectro de mera fita, declina.

VERSOS DA NOITE II

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *